PERSONALIDADES
Leon Herzog
O Criador da Leonette

Home

por: Marcos V. Pasini
Fonte:
Jason Vogel “O Globo” - 8/12/09


Leon Herzog e sua mais famosa criação, a Leonette
O modelo da foto é uma 05-3 Marchas Sport 1967

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

No final da década de 50, poucos no Brasil sabiam o que era Honda ou Yamaha...

Para a garotada que curtia motocicletas, o barato era a Leonette, uma "cinquentinha" fabricada em Bonsucesso, RJ.

A marca nacional, que foi coqueluche na década de 1960, hoje está praticamente esquecida, mas os registros de sua existência resistiram na memória do fundador da empresa, Leon Herzog, e de seu filho Alex.

Para lembrar a saga da fábrica pioneira é preciso contar a vida de seu Leon, que foi atropelada pela História.

Aos 20 anos, ele era um polonês-judeu em um péssimo lugar para se estar em 1939: a Polônia.
Sua família tinha uma pequena fábrica de bicicletas quando os nazistas invadiram o país.

Leon e os parentes foram mandados em 1942 para o gueto que concentrava os judeus de sua cidade, Ostrowieck.
Por se recusar a sair de casa, seu pai foi morto pela Gestapo.

E Leon conheceu os horrores do Holocausto: fome, trabalhos forçados, tifo, cães pastores latindo, execuções e deportações para campos de extermínio em vagões de gado.

Para fugir do gueto, Leon usou uma identidade falsa, de polonês não-judeu.

E, com o nome Jan Grabowski, entrou numa frente de trabalhos forçados que o levou à Alemanha - pior lugar possível para se estar durante o regime nazista.

Na Alemanha, Leon foi trabalhar numa fazenda. Consertava máquinas, operava o trator e arava a terra.

Viu bombardeios aliados e o desespero dos nazistas. E, assim, garantiu sua sobrevivência até a chegada das tropas americanas, em 1945.

- "A guerra acabou e eu não tinha nenhum parente vivo na Europa" - conta Leon.

Em vez de remoer o passado, ele adotou uma filosofia de vida:

- "Era para eu estar morto há muito tempo. Tudo o que vier daqui para a frente será lucro".

O jeito foi buscar abrigo no que sobrara de sua família: os irmãos que haviam emigrado para o Brasil antes da guerra.

Aqui, encontrou guarida com o primogênito da família, Bernardo, dono da empresa de produtos químicos B. Herzog.

Desta forma, Leon voltou à sua antiga atividade: montar e vender bicicletas.
 


Loja de bicicletas na rua Miguel Couto (RJ) nos anos 40

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

De uma lojinha, a coisa evoluiu para uma fábrica no Caju, em 1951. Era a Gulliver (nada a ver com a homônima empresa de brinquedos).

Na Europa do pós-guerra, havia a onda dos pequenos motores 2T para serem acoplados a bicicletas.

E foi a partir de um desses motores, da francesa Lavalette, que Leon montou, no Brasil, seu primeiro ciclomotor: a Gullivette.
 


Gullivete 1957

 

A produção correu bem até que, em 1957, houve um desentendimento entre os sócios da B. Herzog, e a Gulliver foi fechada. O que sobrou para Leon foi o conhecimento para montar a empresa L. Herzog.


Leon Herzog desfilando em sua Gullivete nos anos 50

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

Ele comprou uma fábrica de baldes desativada em Cavalcante e começou a fazer as bicicletas Cacique e Roadster.

Numa viagem a Frankfurt, Leon foi a uma feira de negócios e adquiriu moldes usados de um ciclomotor francês fora de linha. Depois, foi preciso adaptar as prensas de baldes para estampar tanques e quadros.

Só o motor, a transmissão e os cubos de rodas seriam importados, da então Tchecoslováquia. Eram da Jawa, na época uma poderosa marca no mundo das duas rodas.

Assim, no fim de 1960, nasceu a Leonette.


Logotipo da Leonette onde aparece o brasão de Luxemburgo

 

O nome, óbvio, era uma referência ao fundador. Já o escudinho colorido no tanque era o brasão de Luxemburgo - país de origem do sogro de Leon, que muito o ajudara na empreitada.


Linha de montagem da Leonette em Cavalcante (RJ) - 1961


Leonette 1960

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

O primeiro modelo tinha duas marchas, com seletor no manete, e pedais para ajudar o motorzinho de 50cm³ nas subidas.

Logo, a Leonette começaria a ser modificada.
Em 1965, o motor tcheco ganhou novo carburador, que já permitia manter uns 50km/h.

Como Leon tinha um equipamento para fazer os raios das rodas, não demorou a fabricar também vergalhões e outros materiais para a construção civil.

- "Dava menos trabalho e era dinheiro certo" - conta o filho Alex.

A empresa migrou para Bonsucesso e cresceu.

Dobrar e laminar aço passou a ser o negócio principal da empresa.

As motos, porém, vendiam como pão quente, com representantes de Manaus a Porto Alegre.


Leonette Esporte 1962

 

A maior evolução aconteceu no fim de 1967, com o novo motor Jawa de 50cm³, de cilindro na horizontal.

Além disso, tinha caixa de três marchas acionada com o pé e partida por quique. Chegava a quase 80km/h.

O fundador estava cada vez mais concentrado nos negócios com aço e quem tocava a divisão de motos era o espanhol Antonio Sanchez, diretor industrial da fábrica.

Em 1967, surgiu a Leonette de maior sucesso: a Sport, com tanque na mesma posição das motos modernas. E havia a bela Super Sport, com guidom baixinho, tipo Manx.
O modelo Ideal, mais simples, tinha um escudo frontal.


Leonette 05-3 Marchas Super Sport 1967


Leonette 05-3 Marchas "Ideal" 1967

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

Na época, motos de até 50cm³ podiam ser pilotadas por qualquer maior de 15 anos sem habilitação.

O sucesso era tanto que havia até grupos como o "Clube dos Leonetteiros" no Rio de Janeiro.


Clube dos Leonetteiros, no Rio de Janeiro


Clube dos Leonetteiros e passeio rumo ao Grumari, Rio de Janeiro.

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

Os números de produção, nem os fabricantes sabem. Mas era muita coisa: a moto era exposta em diversas lojas de departamentos, como a Mesbla. Só um dos representantes em São Paulo vendia 50 por mês.


Panfleto de propaganda da Leonete 05-3 Marchas em 1967

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

No Rio de janeiro a Policia de Transito, chegou a usar o modelo "Ideal" em 1968.


Guardas de Transito no Rio, em 1968 com uma frota de Leonette Ideal

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

Mas, em 1968, os soviéticos invadiram a Tchecoslováquia e os ótimos contatos com a Jawa foram prejudicados.

- "Pedíamos uma peça, chegava outra" - lembra Leon.

Para piorar, o regime militar brasileiro endureceu, criando obstáculos aos negócios com países comunistas.

Eis que um dia, em 1969, o filho de um ministro morreu em Copacabana, num ciclomotor. Quase imediatamente, os menores foram proibidos de pilotar.
As vendas caíram a 1/4 do que eram.

Ao mesmo tempo, o milagre brasileiro fazia as encomendas de aço para a construção civil acelerarem, concentrando todas as atenções na L. Herzog.

Mas a pá de cal foi a invasão das motos japonesas.

Era o fim da Leonette. A última, chamada Mustang M20, foi feita em 1971.


Leonette Mustang M20 1971


Panfleto de propaganda da Leonette Mustang M20 1969

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

A Honda chegou a entrar em contato com Leon, para montar motocicletas no Brasil.

- "Eu só faria se pudesse usar o nome Leonette. Não foi adiante" - conta o empresário.

A fábrica de Bonsucesso continuou os negócios com aço e foi vendida para a Gerdau em 1992.

Em 21/01/2013, morre aos 93 anos, no Rio de Janeiro, Leon Herzog, criador da lindas motos Leonette que tanto encantaram os jovens e adolescentes da década de 60, onde eu me enquadro.


Leon Herzog posando ao lado de uma Leonette Sport 1967
Foto captada em 2009

http://oglobo2.globo.com/economia/fotogaleria/2009/10526/

veja a matéria de Jason Voguel aqui


Se você quiser, faça seus comentários sobre essa matéria !

Comentários:



Nome:   E- Mail:


Comentário dos Internautas:

Excelente matéria , Marcão . Parabéns .
nome = Luigi
email = luiz_e_costa@yahoo.com.br                                        30/01/2013


e só pode dizer quem teve uma ,bela reportagem
nome = Lelo
email = luizboglar@hotmail.com                                        30/01/2013


Parabens!!!!! É incrivel a falta de conhecimento sobre as motos Brasileiras.....este tipo de informação é ouro e permite o conhecimento perdurar. Tem Garelli, Alpina, Brumana (as pequenas Torquitas) e tantas outras que precisam de informação básica similar. Abraços
nome = jose maria vazquez
email = josemariavazquezc@gmail.com                                 30/01/2013


Reportagem muito bem escrita, eu me lembro das Leonettes, embora tenha me inciado com uma Suzuki A50 1975 cor marrom burro fugido.
email = rumoneto@yahoo.com.br
nome = Rubens Montenegro Neto                                        30/01/2013


Parabéns pela reportagem. A Leonete fez a alegria de muitos jovens no Brasil e também é a historia de vários judeus que vieram para o Brasil fugindo do nazismo e trabalharam duro.Tenho um motor destes mais antigos faltando apenas uma tampa lateral e os pedais, se alguém precisa...
email = nortonhjg@yahoo.com.br
nome = Haroldo                                                30/01/2013


Poxa vida! chega ser emocionante! sem mais palavras! Frejat
email = fabricio_frejat@yahoo.com.br
nome = FREJAT                                                30/01/2013


Bela matéria. Parabens...
email = sergiogalhardo@ig.com.br
nome = Sergio Galhardo                                    30/01/2013


FANTÁSTICO !!!
email = alemao@alemaopneus.com.br
nome = GREGORY                                            30/01/2013


Bela matéria!!! Grande abraço Marcos.
email = lzamuner@uol.com.br
nome = Zamuner                                30/01/2013


Amigos, agora eu comentando: A materia que me serviu como base, quase em sua totalidade, escrita brilhantemente pelo jornalista Jason Vogel da GLOBO, é realmente de uma riqueza de detalhes impressionante. Eu, apesar de conhecer um pouco do assunto e ter tido uma Leonette 1967, na época (minha primeira moto), desconhecia, pelo menos 80% da historia, por exemplo, que o Sr. Leon também tinha criado a Gullivete, que a Gulliver Bicicletas não era a conhecida fábrica de brinquedos e que a L. Herzog era diferente da B. Herzog... Quero deixar aqui meus parabens ao Jason, que não conheço pessoalmente, pela pesquisa e pela quantidade de informações. Abçs.
email = mpasini@terra.com.br
nome = Marcos V. Pasini                31/01/2013


Que história sensacional. Parabéns MC70, pois essa foi do fundo do baú.
email = tabajaraaparecidojorge@hotmail.com
nome = Tabajara Aparecido Jorge                            31/01/2013


Eu era garoto e babava nesta motinho na vitrine do Mappin ! Um vizinho meu tinha uma e todos os dias eu espera ele voltar do serviço para ficar admirando aquela motinha vermelha e branca, boas lembranças !
email = hs_cac@hotmail.com
nome = Carlos Crippa                                31/01/2013


Parabéns pela matéria ficou ótima ,gostaria de ver mais matérias como esta . Abraços
email = Crismartins1@hotmail.com
nome = Cristiano                                                    31/01/2013


Saudades. Tambem tive uma com "rolos" do meu pai que ele fazia com motos. Precisamos de mais Leon. Lição de vida e sucesso. Muito bela a reportagem.
email = Bimmersmg@yahoo.com.br
nome = Gilberto Modollo                                31/01/2013


Marcos. Uma joia!! Excelente matéria!!! Lembro-me quando estava de férias em Santos (1967 ~ 1968 / tinha 15 anos) meu avô dava uma "grana" e eu alugava Leonette na praia próximo a divisa com São Vicente. Minha mãe me dava aquela bronca....eu dizia para ela: reclame com o seu pai......
email = beto.apor@terra.com.br
nome = Alberto Apor                                04/02/2013


Eu me lembro que quando conheci a turminha de motos de Araraquara em 1967 que era formada com NEGO, ZE DUVILIO, BIANCHINI, NEZINHO, ZE FAITO,S ERGIO, DIOGO, BAIANO, EDUARDO SILVA, EDVILMO, PENHA, eu ia na oficina MOTO LION do meu amigo Nego e tinha varias Leonette para arrumar, uma delas era do Leonel. Sonhava, um dia vou ter uma.
email = gruoliveira@uol.com.br
nome = Luiz Carlos de Oliveira (fotografo)            04/02/2013


Parabens Marcão pela bela reportagem. Confesso que não sabia que a Leonette era nacional. Continue resgatando a historia do nosso motociclismo. Um abraço.
email = mjsalama@uol.com.br
nome = Jorge                                                 04/02/2013


Cara quanta riqueza de detalhes esta reportagem, foi como voltar aos tempos da Mobilette que foi a onda da minha geração, ouvi muitas estórias por aqui sobre as Leonettes, mas nada tão fantástico como o que acabei de ver e ler, as pessoas esquecem rápidos das coisas que realmente fizeram a diferença neste País, infelizmente não vivi esta época no Rio, mas fiquei saudoso com os relatos e com as fotos do criador, pena que pessoas como o Sr. Leon Herzog vão embora, deviam ficar por aqui contando suas estórias para a eternidade. Parabéns. Nelson Oliveira Rio de Janeiro
email = nelsonk@kajinmotos.com.br
nome = Nelson Oliveira                                    06/02/2013


EM 1970 TIVE UMA 3 MARCHAS USADA, ANDAVA O DIA INTEIRO .....SAUDADES, ABRAÇOS,
email = flavio.abbud@terra.com.br
nome = Flavio Abbud                                    06/02/2013


Excelente reportagem! Obrigado e meus parabéns.
nome = Fabrice                                                            06/02/2013


PARABÉNS PELA MATÉRIA, MTO LEGAL MAS GOSTARIA TAMBEM QUE FIZESSEM UMA MATÉRIA SOBRE UM OUTRO CICLOMOTOR DA DECADA DE 70 A ITÁLIA 1 DA ALPINA DO BRASIL DE CAXIAS DO SUL RIO GRANDE DO SUL, QUE FOI FABRICADA EM 1973/74 COM MOTOR E OUTRAS PEÇAS VINDOS DA ITÁLIA (MOTOR MOTORI BOLOGNA E CARBURADOR DE LLORTO
email = floriano-grin@bol.com.br
nome = floriano carlos grin                                    14/02/2013


Excelente reportagem. Bons tempos em que pude curtir minha Leonette no interior de SP.
email = vicenteg@ipt.br
nome = Vicente Galli                                        18/02/2013


Marcos V. Pasini, tenho 57 anos e quando voltava do colégio aos 13 anos, de dentro do ônibus avistava a fábrica em Bonsucesso, ficava admirando um monte de cinquentinha. A Leonette Mustang foi a primeira moto que pilotei com 14 anos, de um amigo por isso me encheu de alegria ver essa matéria. Parabéns!!!
email = njardim@bol.com.br
nome = Nelio Jardim                                13/03/2013


SUPER LEGAL.MINHA PRIMEIRA MOTO FOI UMA LEONETE 2 MARCHAS NA MÃO COMPRADA NO MAPPIN . NÃO SABIA NADA DA HISTÓRIA DA MARCA .OBRIGADO PELAS IMAGENS E TEXTO
email = washingtonpedro@uol.com.br
nome = WASHINGTON                                02/05/2013


Show de matéria, eu sempre quis ter uma Leonette, foi otimo saber a historia delas! Parabéns
email = othonrusso@yahoo.com.br
nome = Othon Voador Russo                    18/07/2013


Que beleza, em 1966 eu tinha 16 anos e usava uma Leonette 1965 da empresa onde trabalhava, era muito boa, coqueluche da época em Ourinhos, interior de São Paulo.
email = vagosi@hotmail.com
nome = Valdeci Gonçalves Silva                        08/08/2013


Importante resgate histórico para o mundo duas rodas. Parabéns!
email = aknishida@gmail.com
nome = Alberto Kioharu Nishida (Guy)                    28/08/2013


Muito legal a história do seu Leon e de sua invenção, tenho uma Gullivete igual a que ele está desfilando, ano 1955 .
email = rodrigo_ramiro@hotmail.com.br
nome = RODRIGO                                            16/09/2013


O Sr Leon Herzoh não esta desfilando de gullivete e sim 1 bicicleta motorizada Guliver de 1948 a 1950...
email = abrantkoskimauricio@hotmail.com
nome = mauricio abrantkoski                                29/11/2013


Na madrugada de 1955, acordei com o trim trim da campainha, de uma bicicleta marca Gulliver, (personagem de historias infantis). Presente de natal que eu recebi do meu tio Antonio Jorge Moreira por bom desempenho escolar. Às 06h00 da manhã, já estavamos, eu e meu irmão, andando de bicicleta Gulliver. Bons tempos!
email = lucio.nuremberg@hotmail.com
nome = Lucio n. Moreira                                        03/12/2015


Matéria muito bem detalhada pois onde consegui visualizar o modelo que tive há 40 anos atras qdo estava na faculdade . Que saudade!!! Vou tentar achar uma igual. A minha era essa mutang 1971.Tirei muita onda quando chegava no Arpoador com minha leonete 1971 e o resto da rapaziada só tinha yamaha 50cc aquela do tanque retangular com uma faixa de quadradinhos embaixo.
email = drahcir1953@hotmail.com
nome = Richard                                        04/01/2016


MOTO TEM HISTORIA NO BRASIL, EMBORA DE FORMA TÍMIDA COMO A DESTE PIONEIRO.
email = jordan_ibiapina@hotmail.com
nome = THE JORDAN                                04/01/2016


Esta história eu não sabia, desde 77 acompanho tudo sobre motos, que homem destemido gostei do empenho, realmente honra para quem tem honra.
email = casaetubo@hotmail.com
nome = wagenr josé da silva                    26/04/2017